Ministério da Saúde  
Informações de Saúde MS/SE/Datasus

Imunizações
Cobertura
Notas Técnicas

Zé Gotinha

Origem dos dados

Descrição das variáveis disponíveis para tabulação

Outras formas de obtenção de informações


Origem dos dados

Os dados disponíveis são oriundos do Sistema de Avaliação do Programa de Imunizações - API, sistema este gerido pela Coordenação Geral do Programa Nacional de Imunizações - CGPNI, do Departamento de Vigilância Epidemiológica, Secretaria de Vigilância em Saúde, do Ministério da Saúde, em conjunto com as Secretarias Estaduais de Saúde, suas regionais e as Secretarias Municipais de Saúde.

As Secretarias Municipais de Saúde coletam, por meio do Boletim Diário de Doses Aplicadas de Vacinas, os quantitativos de indivíduos vacinados por faixa etária em cada Estabelecimento de Saúde (salas de vacina), consolidando essas informações nos Boletins Mensais, com registro no Sistema API em todas as instâncias.

A base de dados estadual é enviada mensalmente para a CGPNI/DEVEP/SVS/MS, quando então é consolidada a base nacional.

Voltar ao início


Descrição das variáveis disponíveis para tabulação

O Sistema de Avaliação do Programa de Imunizações - API coleta informações dos Boletins de Doses Aplicadas de Vacina.

Por meio da Internet, o DATASUS, em conjunto com a CGPNI, disponibiliza as principais informações para tabulação sobre as Bases de Dados do Sistema de Avaliação do Programa de Imunizações - API:

Cobertura e imunobiológicos

Cobertura da imunização, considerando a população alvo, para os seguintes imunobiológicos e doses:

Imunobiológico Período (a partir de) População-alvo Cobertura com:
BCG (BCG) 1994 < 1 ano 1ª dose
Contra Febre Amarela (FA) 1994 < 1 ano 1ª dose
Contra Haemophilus influenzae tipo b (Hib)(a) 2000 a 2002 na rotina(1) < 1 ano 3ª dose
Contra Hepatite B (HB) 1994 < 1 ano 3ª dose
Contra Influenza (campanha) (INF) 1999 65 anos e mais (1999)
60 anos e mais (a partir de 2000)
Dose única
Contra Sarampo(b) 1994 a 2002 na rotina(2) < 1 ano Dose única
Dupla Viral (SR) 2001 a 2004 1 ano(3) Dose única
Oral contra poliomielite (VOP) 1994 < 1 ano 3ª dose
Oral Contra Poliomielite (Campanha 1ª etapa) (VOP) 1994 até 1999: < 1 ano
a partir de 2000: de 0 a 4 anos(4)
Dose única
Oral Contra Poliomielite (Campanha 2ª etapa) (VOP) 1994 até 1999: < 1 ano
a partir de 2000: de 0 a 4 anos(4)
Dose única
Oral de Rotavírus Humano (RR) 2006 < 1 ano (6 a 24 semanas de vida) 2ª dose
Tetravalente (DTP/Hib) (TETRA) 2002 < 1 ano 3ª dose
Tríplice Bacteriana (DTP)(a) 1994 < 1 ano
2003: 1º e 2º reforços
3ª dose
Tríplice Viral (SCR) 2000 1 ano 1ª dose
Tríplice Viral (campanha) (SCR) 2004 1 ano(3) 1ª dose

Totais das vacinas contra tuberculose Corresponde à soma da cobertura por BCG e BCG-Hanseníase, menos os comunicantes de hanseníase
Totais das vacinas contra hepatite B Corresponde à soma da cobertura por hepatite B (HB), pentavalente (Penta) e hexavalente (HX)
Totais das vacinas contra poliomielite Corresponde à soma da cobertura por poliomielite (VOP), poliomielite inativada (VIP) e hexavalente (HX)
Totais das vacinas contra coqueluche, difteria e tétano Corresponde à soma da cobertura por tetravalente (TETRA), pentavalente (Penta) e hexavalente (HX)
Totais das vacinas contra sarampo e rubéola Corresponde à soma da cobertura por tríplice viral (SCR) e dupla viral (SR)
Totais das vacinas contra difteria e tétano Corresponde à soma da cobertura por tríplice bacteriana (DTP), tríplice acelular (DTPa), tetravalente (TETRA), pentavalente (Penta), hexavalente (HX) e dupla infantil (DT)
Totais das vacinas contra haemophilus influenzae B Corresponde à soma da cobertura por haemophilus influenzae B (HiB), tetravalente (TETRA), pentavalente (Penta) e hexavalente (HX)
Fonte: Programa Nacional de Imunizações.

Notas:

  1. Doses anteriores a 2000 e posteriores a 2002 foram aplicadas exclusivamente nos Centros de Referência para Imunobiológicos Especiais - CRIE.
  2. Dados de 2003 em crianças menores de 1 ano não devem ser consideradas para cobertura.
  3. Estas vacinas são aplicadas também em mulheres em idade fértil (MIF), porém os dados apresentados não incluem esta população-alvo.
  4. Nestas campanhas, a população-alvo são as crianças de 0 a 4 anos, porém, até 1999, os dados apresentam apenas os dados da população menor de 1 ano.

Veja também a tabela de imunobiológicos.

A fórmula de cálculo da cobertura é o número de doses aplicadas da dose indicada (1ª, 2ª, 3ª dose ou dose única, conforme a vacina) dividida pela população alvo, multiplicado por 100. Exemplo: para a Tetravalente (DTP/Hib), considera-se o número de terceiras doses aplicadas na faixa etária de menores de 1 ano. Para a vacina oral de rotavírus humano, pode-se avaliar cobertura de 1ª e 2ª doses.

Observações:

  1. Em 2002, foi realizada a implantação da vacina tetravalente para substituir as vacinas DTP e Hib isoladas na faixa etária de menores de 1 ano. Devido à forma gradual de sua implantação e à necessidade da utilização das vacinas DTP e Hib isoladas até dezembro de 2002, é necessária a soma das vacinas para o cálculo da cobertura vacinal da seguinte forma: para difteria, tétano e coqueluche deve-se somar as terceiras doses da vacina DTP e da vacina tetravalente; contra o haemophilus influenzae, deve-se somar as terceiras doses das vacinas Hib e tetravalente.

  2. Em 2003, a vacina contra sarampo em menores de 1 ano foi retirada do calendário vacinal, sendo substituída pela vacina tríplice viral (SCR - sarampo/caxumba/rubéola) para aplicação nas crianças de 1 ano de idade na rotina e menores de 5 anos em campanhas de seguimento.

  3. Para cálculo de coberturas vacinais por tipo de doença, deve-se somar as doses (dose única ou 3ª dose) das vacinas com os referidos componentes. Exemplo: para a cobertura vacinal contra sarampo, deve-se somar as doses aplicadas (1ª dose) das vacinas tríplice viral, dupla viral e sarampo monovalente. No caso da cobertura vacinal contra a poliomielite, devem-se somar as 3ª doses da vacina oral e inativada.

População

A população-alvo utilizada para cálculo das coberturas vacinais é determinada como se segue:

  • A partir de 2006, para todos os estados:

    Temos então a seguinte situação:

    População-alvo:

    Ano < 1 ano
    (SINASC)
    1 ano
    (SINASC)
    Demais faixas
    (Censo 2000 e estimativas)
    Todas as faixas
    (Censo 2000 e estimativas)
    De 1994 a 1999
        Todas as UF
    1994       1994
    1995       1995
    1996       1996
    1997       1997
    1998       1998
    1999       1999
    De 2000 a 2005
      AC, AP, ES, GO, MS, PR, PE, RJ, RN, RS, RR, SC, SP, SE, DF AL, AM, BA, CE, MA, MG, MT, PR, PB, PI, RO, TO
    2000 2000 2000 2000 2000
    2001 2001 2000 2001 2001
    2002 2002 2001 2002 2002
    2003 2003 2002 2003 2003
    2004 2004 2003 2004 2004
    2005 2005 2004 2005 2005
    A partir de 2006
      Todas as UF  
    2006 2006 2005 2006  
    2007 2007 2006 2007  
    2008 2008 2007 2008  
    2009 2008 2008 2009  
    Fonte: CGPNI

    Para o ano em curso, os dados disponíveis de doses aplicadas e coberturas vacinas serão sempre preliminares, até o fechamento do banco de dados do referido ano. Os dados são considerados finais no mês de março do ano seguinte. Assim, a população-alvo considerada será a meta mensal multiplicada pelo número de meses corridos, a não ser para as campanhas, quando é considerada a população-alvo anual integral.

    Exemplo de meta mensal e meta mensal acumulada: total de menores de 1 ano = 600 crianças. Meta mensal = 600/12 = 50 crianças. Meta acumulada para o mês de maio = 50 x 5 meses = 250 crianças = 5 doze avos.

    Ano

    Ano de competência. Veja a Tabela de cobertura e imunobiológicos.

    Local

    Local (município, região metropolitana, microrregião, aglomerado urbano, regional de saúde, macrorregional de saúde, UF ou região) de aplicação do imunobiológico.

    Para 1994, não foram fornecidas informações para as seguintes UF: Alagoas, Amapá, Distrito Federal, Mato Grosso do Sul, Minas Gerais, Paraíba, Paraná, Rio de Janeiro, Rio Grande do Sul, São Paulo, Sergipe e Tocantins.

    Para 1995, não foram fornecidas informações para as seguintes UF: Mato Grosso do Sul, Minas Gerais e Tocantins.

    Para 1996, não foram fornecidas informações para a seguinte UF: Minas Gerais.

  • Voltar ao início


    Outras formas de obtenção de informações

    O DATASUS e a Secretaria de Vigilância em Saúde, por meio da Coordenação Geral do Programa Nacional de Imunizações, colocam à disposição da comunidade diversos meios para obter informações sobre Imunizações:

    Voltar ao início

    Formas de contato com a CGPNI

    Ministério da Saúde
    Secretaria de Vigilância em Saúde - SVS
    Departamento de Vigilância Epidemiológica - DEVEP
    Coordenação Geral do Programa Nacional de Imunizações - CGPNI
    Luiza de Marilac Meireles Barbosa - Coordenadora Geral
     
    (61)3213-8296
    SCS Quadra 4, Bloco A, Edifício Principal, 4º andar
    CEP 70304-000 - Brasília, DF

     
    Para maiores esclarecimentos sobre o PNI:
    marcelo.chaves@saude.gov.br
    (61)3213-8356
    samia.samad@saude.gov.br
    (61)3213-8357

    Formas de contato com o DATASUS

    Por correspondência ou ofício:
    Ministério da Saúde
    Secretaria Executiva
    Departamento de Informática do SUS
    Coordenação de Sistemas de Atenção Básica
     
    Rua México, 128, 7º andar
    CEP 20.031-142 - Castelo
    Rio de Janeiro - RJ
     
    Por fax: (21)3985-7296
     
    Pela página do Datasus, através do Fale conosco.

    Voltar ao início